Arquivo da categoria: Turismo em Ambientes Naturais

Manual de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação em Unidades de Conservação

Considerando-se a necessidade futura de implantação, manejo e gestão das atividades de uso público nos Parques Estaduais Paulistas, o Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, do Projeto de Desenvolvimento do Ecoturismo na Região da Mata Atlântica no Estado de São Paulo, promove o Projeto de Elaboração do Plano de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação, que foi realizado com financiamento do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e em parceria com o WWF – Brasil e o Programa Trilhas de São Paulo da Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

O Plano de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação foi elaborado com base no conceito construtivo adotado pelo Projeto FAPESP – Proposição de Política Pública a partir de Modelos de Avaliação e Gestão de Impactos Socioambientais da Visitação Pública nas Unidades de Conservação do Estado de São Paulo (Processo 98/14175-5), no qual foi proposta uma lista mínima de indicadores de impactos da visitação e sua respectiva metodologia, que qualquer sistema de monitoramento deve contemplar.

Neste manual são descritas as metodologias propostas para o plano em questão, envolvendo desde os trabalhos que antecedem o monitoramento, até a adoção de estratégias de manejo com vistas à redução ou eliminação dos impactos e a continuidade do monitoramento com o objetivo de verificar a efetividade das ações implantadas.

Os arquivos podem ser encontrados nos links abaixo:

Fonte: WWF Brasil

Geoturismo

A geodiversidade é a coleção de formações rochosas, seus fenômenos ee tipos de solos e rochas. Para Stanley (2000 apud. NASCIMENTO 2007, p.8) Geodiversidade é a “Variedade de ambientes, fenômenos e processos ativos, de caráter geológico, geradores de paisagens/relevo, rochas, minerais, fósseis e solos que constituem a base para a vida na Terra”.

Na prática, a geodiversidade pode ser trabalhada também como atrativo turístico e de fato, é tão importante quanto à biodiversidade, pois é o substrato que define a flora e consequementemente a fauna. Desta forma, o estudo e conservação, se reflete tanto na biodiversidade quanto potencial de serviços e produtos turísticos.

Para quem trabalha com trilhas, o conhecimento do potencial “geoturístico” passa a ser então mais uma ferramenta no planejamento e manejo de trilhas. Uma boa dica é o site Geoturismo Brasil com destaque para o conceitual, projetos no Brasil e uma biblioteca virtual com vários dowloads de interesse. acesse!!!

Guia de Aves da Mata Atlântica Paulista

GUIA AVES SP
O Guia de aves Mata Atlântica Paulista, produzido pelo WWF-Brasil e pela Fundação Florestal do Estado de São Paulo com o apoio do HSBC, tem como objetivo incentivar a prática da observação de aves na bela região da Serra do Mar e Serra de Paranapiacaba. A obra foi pensada para ajudar todos os observadores, iniciantes ou mais experientes, a descobrir e desfrutar a riqueza multicolorida das aves dessas áreas protegidas.

A Mata Atlântica é uma das regiões com maior biodiversidade do mundo e também é muito rica em aves. Sua avifauna inclui mais de 600 espécies, das quais cerca de 160 são endêmicas, isto é, não existem em nenhum outro tipo de ambiente no mundo.

Este guia se refere às aves que vivem em ambientes serranos como florestas de encostas, topos de morros e campos de altitude; eventualmente podem ocorrer em cotas mais baixas. As unidades que protegem esses tipos de ambientes estão localizadas nas Serras do Mar e de Paranapiacaba, bem como em outras áreas serranas do Estado de São Paulo, como a Serra da Cantareira e o Maciço da Juréia. A região abriga o maior trecho contínuo de Mata Atlântica em todo o Brasil. Existem aí 32 unidades de conservação, onde as aves podem ser encontradas, dependendo do tipo de ambiente e de seu estado de conservação e recuperação.

O guia foi impresso com tiragem limitada, e pode ser comprado nos parques por R$ 10,00.

Download do Guia de Aves da Mata Atlântica Paulista.